Retrospectiva Mamoru Hosoda – Destaque Monstra 2018

(Para ver os horários das sessões e trailers clicar aqui para saltar para o fim do post.)

Mamoru Hosoda nascido em 1967, é regularmente apontado como sucessor, entre outros realizadores actuais, de um cinema de animação japonês com produção ambiciosa e sucesso de audiências internacional. Um espaço ocupado quase exclusivamente pelo estúdio Ghibli nas últimas décadas.

Não é o único, felizmente, mas nos últimos anos, com uma produção constante e de qualidade tem cimentado esse seu papel. The Boy and The Beast, por exemplo, estreou em 1º lugar nas bilheteiras japonesas a Julho de 2015, destronando o líder de audiências anterior “Avengers: Age of Ultron”, rendendo à volta de  US$5.4 milhões. Nos Estados Unidos, em Março do ano seguinte, fez US$274.247 no fim de semana de estreia. Para além do dinheiro, foi um sucesso de crítica e audiência.

Pessoalmente adorei toda a evolução do personagem principal, os temas de abandono, como as famílias são coisas difíceis, complexas e criadas por cada um. A caracterização do mundo fantástico paralelo ao nosso que é inicialmente misterioso mas que se torna quase mundano ao longo do filme.

A ligação deste realizador com a linhagem Ghibli não é só circunstancial, fez parte da sua evolução profissional. Umas vezes como uma presença inspiradora outras como antagonista, mas sempre inescapável, incluindo as comparações que agora são feitas.

Depois de terminar um curso de pintura a óleo no Kanazawa College of Art tentou iniciar a sua carreira em animação candidatando-se ao estúdio de Miyazaki e Takahata mas foi rejeitado. Acabou por entrar para a Toei em 1991 como ilustrador e animador onde se estreou, após alguns anos, na realização com o filme “Digimon Adventure” que tem ecos do seu filme futuro “Summer Wars”.

Ironicamente, quando trabalhava na Toei Animation, foi recrutado para dirigir o filme “Howl’s Moving Castle” do estúdio Ghibli , mas acabou por desistir da posição depois de ver as suas ideias para o projecto rejeitadas.

Em 2003  realizou o filme “SUPERFLAT MONOGRAM”, em colaboração com Takashi Murakami, o famoso artista plástico contemporâneo, para a marca Louis Vitton.

A busca pela sua própria expressão criativa levou Hosoda a tornar-se um animador independente e em 2006 termina “The Girl Who Leapt Through Time”. Lançado a uma pequena escala, tornou-se inesperadamente um grande sucesso de bilheteira junto das audiências mais jovens.

O mesmo aconteceu com o filme seguinte Summer Wars que alem da popularidade o levou aos festivais e prémios internacionais.

Estes sucessos levaram-no a criar o seu próprio estúdio (Studio Chizu)  para a produção de Wolf Children, estreado em 2011, estando agora a finalizar um novo filme “MIRAI” a ser lançado em Julho de 2018.
Mirai, conta a história de um rapaz que é visitado pela sua irmã vinda do futuro.

A retrospectiva de Hosoda na Monstra, é uma oportunidade a não perder para ficar a conhecer a fundo a obra de um dos mais promissores talentos contemporâneos.
Percebe-se, ao olhar para a sua obra até agora, a procura de respostas a temas como o Tempo, a família nas suas varias funções e disfunções, os mundos paralelos aos nossos ( virtuais, sobrenaturais ou mentais) e a superação de si mesmo.
No fundo questões humanas, que em conjunto com a acessibilidade do argumento e apelo dos personagens, constroem a base deste cinema de sucesso “comercial”.

A mostra incluiu “The Girl Who Leapt Through Time” no passado dia 12 de Março e continua até ao fim do Festival com as seguintes datas:

15 Março no Cinema City Alvalade às 22h00,  O Rapaz e o Monstro | The Boy and the Beast (2015). 120’  (VO/ leg. pt,en)

16 Março no Cinema City Alvalade às 22h00, Guerras de Verão | Summer Wars (2009), 114’

17 Março no Cinema City Alvalade às 22h00, Crianças Lobos | Wolf Children (2012), 117’

Post navigation

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: